QUER COMPRAR A CASA PRÓPRIA ? A hora é de barganhar…

Preços pararam de subir, mas crédito está mais caro e restrito.

A saída é negociar com bancos, incorporadoras e proprietários e tentar engordar ao máximo a entrada do financiamento

O consumidor que está em busca da casa própria enfrenta uma situação inédita na história recente do País: os preços dos imóveis pararam de subir e, em algumas cidades, já há queda. Ao mesmo tempo, os bancos passaram a financiar uma parcela menor do valor do bem e subiram as taxas de juros.

O cenário, portanto, é ao mesmo tempo interessante, do ponto de vista do negócio, e restritivo, pela lado do financiamento. Os especialistas em finanças pessoais são unânimes: o momento é de barganhar.

Um bom e longo relacionamento com o banco deve ajudar o cliente a negociar juros menores. Já a desaceleração do setor e os estoques cada vez maiores ajudarão nos descontos com incorporadoras ou proprietários.

O mercado está desaquecido, logo há menos pessoas querendo comprar.

Se o consumidor já tem uma poupança para dar entrada, há condições melhores para ter poder de barganha.

Os experts reforçam a tese e dizem que quanto maior for a entrada, melhores são as chances de conseguir um negócio mais atraente.

Confira : “Se você comprou um imóvel de R$ 500 mil e deu entrada de R$ 300 mil, você é um cliente com menos risco para o agente financeiro.

Ou seja, já pagou muito e tem muito a perder se não honrar o financiamento.

Então é possível negociar descontos.

Uma pesquisa da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), entre compradores do site de classificados Zap, mostra que já há uma tendência maior de barganha nos preços.

Nos últimos meses o desconto médio informado sobre os negócios realizados nos últimos doze meses foi de 7,5%, ante uma média de 7% anteriormente.

Além disso, o indicador de preços FipeZap aponta que, descontada a inflação, o preço médio registra uma queda de 3,47% .

Cuidados: Créditos de longo prazo como o imobiliário, no entanto, exigem cálculo cuidadoso, porque o comprador vai carregar essa dívida por décadas.

Quanto maior for o valor financiado, mais juros o consumidor vai pagar ao longo do tempo.

Nesse esforço para abater a maior parte da dívida que for possível, o consumidor pode até avaliar a venda de algum bem.

Um veículo, por exemplo, pode ser vendido para compor o valor da entrada.

O consumidor deve levar em conta se o valor do automóvel é significativo em relação ao valor do imóvel.

Os bancos têm um limite na redução dos juros. A taxa talvez não mude tanto, mas é possível conseguir mais facilidades no financiamento.

Escassez de crédito. O freio no financiamento imobiliário foi gerado pelos fortes saques da poupança, uma das principais fontes de recursos do setor.

A Caixa Econômica Federal derrubou o limite dos financiamentos e subiu duas vezes os juros.

O movimento de alta das taxas foi seguido pelo Banco do Brasil e pelas instituições financeiras privadas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s